segunda-feira, 17 de junho de 2019

Porque As Pessoas Não Doam


•Sentem que sua doação é pequena demais para fazer alguma diferença


•Sentem que a sua religião ou outras causas sociais são mais importantes


•Não sabem para quem doar


•Acreditam que sua doação será usada de forma irresponsável, pouco eficiente ou para fins administrativos


•Tiveram alguma experiência ruim com doações


•Sentem que cuidar das questões sociais é tarefa do governo


•Não São Solicitadas!


Sucesso.
Se Você gostou compartilhe, dê sua opinião.


Dr. José Carlos Soares, Graduado em Direito pela Faculdade de Direito de Itu- e Pós-Graduado em Aspectos Sócio Econômicos da América Latina e o Mercosul pela UNISO- Universidade de Sorocaba. Advogado Militante a 28 anos Especializado em Direito do Terceiro Setor.

Ocupou o Cargo de Vice-Presidente da Comissão do Terceiro Setor da 24ª Subsecção da OAB de Sorocaba/SP.

Presto Mentoria Para Organizações do Terceiro Setor-

Ministro Cursos e Palestras sobre os Seguintes Temas:
• Captação de Recursos, Fundação e Legalização de ONG e OSC, OSCIP, Voluntariado, Elaboração de Projetos, Responsabilidade Social Empresarial, Gestão, Aspectos Trabalhistas para Terceiros Setor.

• Autor do Manual “Como Fundar Uma ONG Passo a Passo”.

Contato- (15) 99633-0701 (WhatsApp)
 e-mail- terceirosetorlegal@gmail.com                  @terceirosetorlegal

Blog - https://terceirosetorlegal.wordpress.com/        terceirosetorlegal@blogspot.com     




quarta-feira, 12 de junho de 2019

Você Sabe o que é Benchmarking?

Benchmarking é "Um processo contínuo e sistemático para avaliar produtos, serviços e processos de trabalho de organizações que são reconhecidas como representantes das melhores práticas, com a finalidade de melhoria organizacional". SPENDOLINI (1992:10)
Essa ferramenta pode e deve ser utilizada pelas organizações do Terceiro Setor, visando se espelhar nas melhores organizações do setor, com o objetivo de melhorar seus processos internos e, consequentemente, aprimorar o seu desempenho de forma geral.
Fica a Dica.
Dr. José Carlos Soares, Graduado em Direito pela Faculdade de Direito de Itu- e Pós-Graduado em Aspectos Sócio Econômicos da América Latina e o Mercosul pela UNISO- Universidade de Sorocaba. Advogado Militante a 28 anos Especializado em Direito do Terceiro Setor.

Ocupou o Cargo de Vice-Presidente da Comissão do Terceiro Setor da 24ª Subsecção da OAB de Sorocaba/SP.

Ministra Cursos e Palestras sobre os Seguintes Temas:
• Captação de Recursos, Fundação e Legalização de ONG e OSC, OSCIP, Voluntariado, Elaboração de Projetos, Responsabilidade Social Empresarial, Gestão, Aspectos Trabalhistas para Terceiros Setor.
• Autor do Manual “Como Fundar Uma ONG Passo a Passo”.

Contato- (15) 99633-0701 WhatsApp – e-mail- terceirosetorlegal@gmail.com
 Blog - https://terceirosetorlegal.wordpress.com/             @terceirosetorlegal


domingo, 9 de junho de 2019

Sobre a responsabilidade dos administradores de Associações e Fundações.


Segundo Sabo Paes: 

“O administrador deve pautar a sua atuação, de modo a fazer cumprir os fins da sociedade e observar o que dispõem os seus estatutos, nem prejudicando a sociedade nem favorecendo terceiros ou a si próprio, em prejuízo dela. Ao afastar daqueles objetivos, ou ao incidir nas práticas por último ventiladas, detentor de tal cargo deve ser responsabilizado pelos danos ou prejuízos causados por sua iniciativa, ou para os quais tenha concorrido de alguma maneira”.



Dr. José Carlos Soares, Graduado em Direito pela Faculdade de Direito de Itu- e Pós-Graduado em Aspectos Sócio Econômicos da América Latina e o Mercosul pela UNISO- Universidade de Sorocaba. Advogado Militante a 28 anos Especializado em Direito do Terceiro Setor.
Ocupou o Cargo de Vice-Presidente da Comissão do Terceiro Setor da 24ª Subsecção da OAB de Sorocaba/SP.
Ministra Cursos e Palestras sobre os Seguintes Temas:
  • Captação de Recursos, Fundação e Legalização de ONG e OSC, OSCIP, Voluntariado, Elaboração de Projetos, Responsabilidade Social Empresarial, Gestão, Aspectos Trabalhistas para Terceiros Setor.
  • Autor do Manual “Como Fundar Uma ONG Passo a Passo”.
Contato- (15) 99633-0701 WhatsApp – e-mail- terceirosetorlegal@gmail.com

sábado, 8 de junho de 2019

Credibilidade



“A Credibilidade é um diferencial nas ONGs e vital para a manutenção de suas relações, sua imagem e sustentabilidade. De fato, é um pilar de interações com os cidadãos, sejam eles sua base social ou seus beneficiários”.


Alan Fowler 

Dr. José Carlos Soares, Graduado em Direito pela Faculdade de Direito de Itu- e Pós-Graduado em Aspectos Sócio Econômicos da América Latina e o Mercosul pela UNISO- Universidade de Sorocaba. Advogado Militante a 28 anos Especializado em Direito do Terceiro Setor.

Ocupou o Cargo de Vice-Presidente da Comissão do Terceiro Setor da 24ª Subsecção da OAB de Sorocaba/SP.

Ministra Cursos e Palestras sobre os Seguintes Temas:
• Captação de Recursos, Fundação e Legalização de ONG e OSC, OSCIP, Voluntariado, Elaboração de Projetos, Responsabilidade Social Empresarial, Gestão, Aspectos Trabalhistas para Terceiros Setor.

• Autor do Manual “Como Fundar Uma ONG Passo a Passo”.


Contato- (15) 99633-0701 WhatsApp – e-mail- terceirosetorlegal@gmail.com
Facebook -Terceiro Setor Legal       @terceirosetorlegal 

quarta-feira, 5 de junho de 2019

A sua Organização Social Está na Internet?


Hoje o celular está 24 horas por dia presente na vida das pessoas e ele se tornou o seu despertador; sua agenda; seu contato com o trabalho e com seus amigos pelas redes sociais; seu meio seguro de chegar a um lugar; sua câmera fotográfica; seu relógio; seu cinema; seu jornal; seu banco para efetuar pagamentos; seus jogos.
Estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV) aponta que o Brasil possui 5 computadores (desktop, notebook e tablet) para cada 6 habitantes. No total, são 174 milhões de computadores em uso no País, segundo dados de maio de 2018.
Segundo dados da União Internacional de Telecomunicações (UIT), o Brasil possui mais de 122 milhões de usuários com acesso à Internet, o que corresponde a 59% da população .
As mulheres representam 53% e os homens 47% dos usuários da internet no Brasil.
Mark Elliot Zuckerberg, em 2017, apontou que dos 2 bilhões de usuários do Facebook 117 milhões estão no Brasil.
E se você é um dirigente ou participa de OSC (ONG), acredito com os números aqui apresentados já se convenceu que sua Organização tem que MARCAR presença na Internet.

Para promover a sua Causa a sua Marca e atingir este público, se faz necessário uma excelente comunicação, pois embora o público seja gigantesco, lembre-se todos querem atrair a atenção desse mesmo público.

E quando digo excelente não quero dizer boa, pois existe uma enorme diferença entre bom e excelente, dou aqui um exemplo simples, mas verdadeiro.

Você prefere comer em um Excelente restaurante, ou em um bom restaurante?  

Agora eu lhe pergunto-

  • Sua Organização tem um site?

  • Se sua resposta foi positiva, faço outras perguntas –
  • Seu site está atualizado?  
  • O Estatuto da Organização está no site para que todos o conheçam?
  • Você divulga a Causa que sua Organização defende em seu Site, ou só divulga a sua Organização?
  • Você faz a divulgação dos resultados obtidos com o trabalho de sua Organização?
  • O site tem o endereço da Organização atualizado, tem canais para contato (telefone, e-mail, WhatsApp)?
  • Tem o Botão para doação? Em caso positivo ele é facilita ou dificulta a doação?
  • Tem a programação dos Eventos da sua Organização?

Aqui eu trouxe pequenas indagações, que certamente serviram para a reflexão de como está o site de sua Organização, site este que apresenta a sua Organização para os milhões de usuários da internet.

Você pode dizer que não tem recursos para estar presente na internet, e eu lhe digo busque uma parceria, seja com empresas que atuam na área, ou até mesmo se na sua cidade tem uma faculdade que seus cursos são voltados para a comunicação firme uma parceria com a faculdade e os alunos poderão estagiar na sua Organização ou ainda poderão ser um voluntário.

Agora se a sua Organização não MARCA presença na Internet, sinto em lhe dizer é como se ela não existisse.

Fica a Dica
Sucesso.

Dr. José Carlos Soares, Graduado em Direito pela Faculdade de Direito de Itu- e Pós-Graduado em Aspectos Sócio Econômicos da América Latina e o Mercosul pela UNISO- Universidade de Sorocaba. Advogado Militante a 28 anos Especializado em Direito do Terceiro Setor.

Ocupou o Cargo de Vice-Presidente da Comissão do Terceiro Setor da 24ª Subsecção da OAB de Sorocaba/SP.

Ministra Cursos e Palestras sobre os Seguintes Temas:
• Captação de Recursos, Fundação e Legalização de ONG e OSC, OSCIP, Voluntariado, Elaboração de Projetos, Responsabilidade Social Empresarial, Gestão, Aspectos Trabalhistas para Terceiros Setor.

• Autor do Manual “Como Fundar Uma ONG Passo a Passo”.

Contato- (15) 99633-0701 WhatsApp – e-mail- terceirosetorlegal@gmail.com

Facebook – Terceiro Setor Legal                   @terceirosetorlegal

sábado, 1 de junho de 2019

O QUE É AVALIAÇÃO E POR QUE ELA É IMPORTANTE?


Avaliação é a análise sistemática dos benefícios, qualidade e valor de um programa, atividade ou organização como um todo.

Uma avaliação pergunta:

O que deu certo?
O que poderia ter dado mais certo?
Por que determinadas coisas deram certo ou não?
Que diferença o trabalho fez para nossa comunidade?
O que aprendemos e como usamos esse conhecimento?

Sucesso a Todos.

Dr. José Carlos Soares, Graduado em Direito pela Faculdade de Direito de Itu- e Pós-Graduado em Aspectos Sócio Econômicos da América Latina e o Mercosul pela UNISO- Universidade de Sorocaba. Advogado Militante a 28 anos Especializado em Direito do Terceiro Setor.

Ocupou o Cargo de Vice-Presidente da Comissão do Terceiro Setor da 24ª Subsecção da OAB de Sorocaba/SP.

Ministra Cursos e Palestras sobre os Seguintes Temas:

• Captação de Recursos, Fundação e Legalização de ONG e OSC, OSCIP, Voluntariado, Elaboração de Projetos, Responsabilidade Social Empresarial, Gestão, Aspectos Trabalhistas para Terceiros Setor.

• Autor do Manual “Como Fundar Uma ONG Passo a Passo”.

Contato- (15) 99633-0701 Whatsapp

Se Você gosta do nosso Blog divulgue para seus Amigos.

sexta-feira, 31 de maio de 2019

Por onde andam os projetos



Um projeto não começa nem termina na elaboração de sua proposta. Há um caminho a ser percorrido. Em geral, no início, há um conjunto de ideias e desejos (mais ou menos vagas) a respeito de alguns objetivos ou do que se quer fazer. Estas ideias provêm do trabalho que o grupo já realiza ou de algum problema em vias de transformar-se em demanda.
Com frequência, entre o problema e a elaboração propriamente dita do projeto, existe um período de consultas e estudos preliminares em que se busca informações sobre as questões mais importantes e se procura estabelecer contatos preliminares com possíveis parceiros. Esta fase combina pesquisa e articulação.
Após este momento, se efetuará o trabalho de redação da proposta. Em geral, ele é desenvolvido pelo núcleo central do projeto. São algumas pessoas de uma organização ou representantes das entidades que serão responsáveis pela implementação de um plano de trabalho. Em alguns momentos, há necessidade de consultas e participação ampla dos protagonistas, mas a maior parte da elaboração fica ao encargo dessa pequena comissão.
Com uma proposta redigida, fica mais fácil estabelecer contatos e articular parcerias ou apoios. Mesmo que ainda existam pontos obscuros ou ideias imprecisas, qualquer interlocutor sempre terá mais segurança em apoiar o projeto se conseguir visualizá-lo no papel. Por isso, o esforço para a articulação de um projeto ocorre após sua formulação. Na maioria das vezes, as articulações implicarão em mudanças no que já havia sido escrito. E isso é muito positivo.
A implementação do projeto é um processo constante de pensar e repensar as ações, resultados e indicadores nos quais se quer chegar. Significa estabelecer processos de monitoramento e avaliação, bem como um contínuo esforço de articulação e mobilização de recursos em torno dos objetivos do projeto.
A conclusão de um projeto pressupõe uma avaliação final e relatórios. Em algumas ocasiões, por compromissos com financiadores e pela dificuldade de agrupar todos participantes, o relatório acaba sendo terminado antes da avaliação final. A conclusão de um projeto nem sempre é seu fim. É comum que surjam outras ideias ou desafios, que podem se transformar em novos projetos. Também é comum que o mesmo projeto – ou uma versão semelhante –, tendo obtido êxito em um local, seja adotado por outros ambientes. Assim, um bom projeto pode e deve se multiplicar.
Fonte: Guia Para Elaboração de Projetos Sociais os Sociais. Página 41
Autores- Luis Stephanou Lúcia Helena Müller Isabel Cristina de Moura Carvalho

Dr. José Carlos Soares, Graduado em Direito pela Faculdade de Direito de Itu- e Pós-Graduado em Aspectos Sócio Econômicos da América Latina e o Mercosul pela UNISO- Universidade de Sorocaba. Advogado Militante a 28 anos Especializado em Direito do Terceiro Setor.

Ocupou o Cargo de Vice-Presidente da Comissão do Terceiro Setor da 24ª Subsecção da OAB de Sorocaba/SP.

Ministra Cursos e Palestras sobre os Seguintes Temas:

• Captação de Recursos, Fundação e Legalização de ONG e OSC, OSCIP, Voluntariado, Elaboração de Projetos, Responsabilidade Social Empresarial, Gestão, Aspectos Trabalhistas para Terceiros Setor.

• Autor do Manual “Como Fundar Uma ONG Passo a Passo”.
Contato- (15) 99633-0701 Whatsapp

Porque As Pessoas Não Doam

•Sentem que sua doação é pequena demais para fazer alguma diferença •Sentem que a sua religião ou outras causas sociais são mais impo...